Banner

abda-facebookabda-twitterabda-youtubeGoogle plus

Sexta, Dezembro 19, 2014

Idiomas

Português
Artigos TDAH TEXTOS SOBRE TDAH Déficit de Atenção e Dislexia na Escola
Quarta, 19 Setembro 2012 13:12

Déficit de Atenção e Dislexia na Escola

Escrito por 

DÉFICIT DE ATENÇÃO E DISLEXIA NA ESCOLA

As dificuldades escolares são diversas e multifatoriais, dificultando, muitas vezes, delimitações mais precisas. No entanto, o comprometimento de habilidades estratégicas para o aprendizado, como atenção e leitura, pode determinar prejuízos persistentes e difusos, justificando uma avaliação mais sistemática e aprofundada destas funções. O avanço no conhecimento sobre transtornos como o TDAH e a Dislexia tem melhorado a compreensão geral sobre estas funções, orientando ainda estratégias mais específicas e eficazes de intervenção.

A atenção é a porta de entrada da informação, devendo selecionar o que é relevante e controlar seu processamento pelo cérebro. Entre outros efeitos, a atenção facilita a percepção, a memória e a resposta motora, tendo papel central no aprendizado (seja uma habilidade ou um conteúdo).

A leitura, ao contrário da fala, não é aprendida de forma natural ou intuitiva. Esse processo pode ser favorecido por um trabalho sequencial das habilidades envolvidas. A leitura tem como finalidade a compreensão, e depende da decodificação (conversão de letras em sons) adequada, além do domínio da língua (habilidades da linguagem oral). Presumida a sua aquisição, a linguagem escrita se torna a principal (quase exclusiva) ferramenta de acesso e avaliação dos conteúdos escolares, o que é potencialmente problemático. Separar as demandas de leitura/escrita daquelas próprias da disciplina pode ajudar a delimitar eventuais déficits, além de enriquecer o aprendizado de todos os alunos.

O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é definido pela presença de sintomas primários e persistentes de desatenção, hiperatividade e impulsividade em níveis disfuncionais. Dificuldades de organização e planejamento (disfunção executiva) são também muito frequentes. A dislexia é um transtorno específico da aprendizagem no qual há uma dificuldade significativa e persistente na leitura, resultante de um déficit na decodificação. A compreensão da linguagem oral encontra-se preservada, diferente do que é observado nas dificuldades primárias de compreensão.

O TDAH e a dislexia são condições prevalentes na infância (acometem cerca de 5% das crianças), com impactos na vida escolar, social e familiar. A possibilidade de diagnósticos adicionais (comorbidades) é a regra – não a exceção – nestes quadros, devendo ser investigados (sintomas de outros transtornos do neurodesenvolvimento, alterações do humor, ansiedade, entre outros). A taxa de comorbidade entre TDAH e Dislexia é elevada e bidirecional (25 a 40% apresentam sintomas do outro transtorno, independente do inicial). Esta associação, muito estudada, envolve complexos mecanismos que são compartilhados por estes transtornos (genéticos, ambientais, comportamentais, cognitivos, etc.). Situações comórbidas evoluem, em geral, com maiores prejuízos, não só acadêmicos como globais (índices de reprovação e evasão escolar, baixa autoestima, problemas de comportamento, etc.). Ambos os transtornos devem ser diagnosticados e tratados. O reconhecimento desta associação é uma tarefa muitas vezes difícil, e requer a avaliação cuidadosa e a colaboração de todos os envolvidos.

Atenção e leitura são habilidades múltiplas e complexas, que variam muito entre as pessoas (são dimensionais). Avaliar adequadamente e entender os diversos perfis de funcionamento são grandes desafios para as Neurociências. A dificuldade de leitura na comorbidade parece se relacionar mais com a desatenção do que com os outros sintomas do TDAH. Em algumas crianças, a impulsividade favorece muito o uso da adivinhação como estratégia compensatória. Caso o comportamento de desatenção esteja presente somente nos momentos de leitura, o diagnóstico de TDAH se torna mais improvável. O papel da atenção visual na dislexia é foco recente de pesquisas, além de outros parâmetros já identificados (velocidade de processamento, memória operacional, etc.).

Estratégias de identificação precoce, prevenção e intervenção têm sido desenhadas a partir deste conhecimento, abrindo interessantes perspectivas. No entanto, há limitações para a generalização destes resultados, que devem estar claras (diferenças entre as línguas, variações culturais, etc.). A transparência é a marca da boa ciência. Um olhar individualizado e bom senso são imprescindíveis em todos os casos. Seguem algumas estratégias gerais em função dos aspectos sinalizados.

 

HABILIDADES IMPORTANTES PARA A LEITURA

 

→ Consciência fonológica: capacidade de perceber e manipular sons da fala

- reconhecer os sons das palavras (usar palmas);

- fazer rimas, acrescentar e retirar partes das palavras, formando outras.
 

→ Nomeação de letras e associação letra-som

- usar jogos ou músicas para facilitar a memorização; 

- usar letra bastão, evitando informações conflitantes antes da consolidação desta fase (letra cursiva); 

- evitar exposição a uma segunda língua quando houver dificuldade.
 

→Decodificação fluente (conversão letra-som)

- começar com palavras simples e regulares; 

- aumentar progressivamente a complexidade (palavras maiores, irregulares, frases curtas, etc.)
 

→ Domínio da língua (aspectos estruturais e semânticos) e narrativa oral 

- vocabulário (sentido literal e figurado); palavras derivadas; 

- estrutura frasal e relação entre as frases; 

- pistas do contexto e inferências; 

- ideia central (personagens e fatos principais); 

- sequência temporal e os termos indicativos; 

- informações implícitas (o que o personagem pensou ou sentiu; o que poderia ser diferente).

 

ACOMODAÇÕES DE LEITURA NA ESCOLA

  A dislexia é uma dificuldade persistente de leitura, que é sempre mais difícil e cansativa. Embora o desempenho melhore com a prática, as demandas escolares crescentes (textos e enunciados mais extensos e complexos em várias disciplinas) podem manter eventuais lacunas. Além disso, a leitura deve ser estimulada como atividade de prazer, praticada também fora da escola. Para isso, é fundamental possibilitar outras formas de aprendizado, evitando possíveis sobrecargas.

 
 

 ESTRATÉGIAS GERAIS:

dar mais tempo para o aluno nas atividades que envolvem leitura;

 aumentar o espaço entre as letras e destacar as partes mais importantes (atenção visual);

 possibilitar leitura em voz alta dos textos e enunciados quando necessário;

  esclarecer as dúvidas sobre textos/enunciados (antes de presumir falhas de conteúdo);

  erros ortográficos atípicos fazem parte do quadro e não devem ser descontados;

usar recursos visuais para apresentar ou resumir os conteúdos (desenhos, figuras ou esquemas);

permitir que o aluno responda oralmente ou através de recursos visuais;

atividades alternativas de aprendizado (museus, exposições, filmes, etc.);

permitir a gravação das aulas e/ou indicação material audiovisual sobre o conteúdo*

 

* A Khan Academy oferece aulas objetivas e muito didáticas sobre diversos assuntos. Podem ser acessadas gratuitamente através do site (em inglês, com legendas): www.khanacademy.org

 

 A Fundação Lemann está traduzindo este material: www.fundacaolemann.org.br

 

Artigo escrito pela Dra. Priscila S. Martins - ELO UFRJ

 

ABDA® Todos os direitos reservados. Copyright 2013.

Banner

Enquete

O texto do nosso site ''O TDAH é uma doença inventada?" fez você concluir:

APOIO E PARCERIAS

abp_logo  1598324 714481408570106 749451181 t   acm pq transparente   and_logo  cna_logo instituto_pazes manita_logo  marpa  novartis-logo_right riostoc
 shire  universidade-veiga-de-almeida-158-Thumb