Banner

abda-facebookabda-twitterabda-youtubeGoogle plus

Terça, Março 28, 2017

Idiomas

Português
Depoimentos
Participe enviando para nós a sua História Real, em texto ou vídeo. Você que é portador de TDAH, parente, amigo, professor ou terapeuta, conte-nos o seu testemunho. Você pode enviar seu vídeo utilizando o campo link do vídeo (ex: Youtube, Vimeo, Google Vídeos, etc.)

Vamos compartilhar contra a discriminação das crianças Hiperativas portadoras deTDH estou vivenciando nesse momento esse tipo de preconceito conto com vocês amigos Todos somos capazes de alcançar nossos objetivos obrigado !!!
Boa tarde é com grande insatisfação que veho comunicar que meu filho aluno do Colégio Santa Marcelina ( Vila Marina ) RJ do pré 2 foi expulso do colégio por ser portador de TDH isso é um preconceito muito grande .Me chamaram ao colégio dizendo que ano que vem ele não podera fazer o primeiro ano ai no Santa Marcelina ( Vila Marina ) mas que em outro colégio podera fazer sim , não existe avaliação
sem prova uma criança que acabou de completar 6 anos de idade está começando a se alfabetizar agora uma criança de pré não faz prova que avaliação é essa ?
Estou me sentindo humilhada isso não existe em nenhum colégio , vamos respeitar as crianças portadoras de TDH elas são seres humanos iguais aos os outros e muito capazes Não é porque é bolsista, portador de TDH que precisa ser humilhado e tratado com preconceito respeite o proxímo .
A direção do Santa Marcelina ( Vila Marina ) está muito preconceituosa precisa apreender muito sobre TDH . Meu filho vai começar a usar medicação agora pois o neurologista achou necessário .
O TDH dele foi descoberto agora ha pouco tempo e o colégio prefere expulsar do que ajudar é mais fácil desistir do que entender o problema .
Sou mãe , sou educadora e vou lutar contra ao preconconceito ao TDH !!!
 
Data: 12 novembro 2012
Enviado por: Ana Claudia Rodrigues
Rio de Janeiro
"Oi meu filho mais novo tem TDAH e DISLEXIA ,ele se chama Thiago e tem 9 anos . O meu maior problema são as pessoas aceitarem porque acham e ele nao tem nada por as deficiencias não serem aparentes feitos outras sindromes.
Eu luto diariamente levando ele para as terapias com fonoaldiologas e psicopedagoga, nao trabalho fora ,as vezes sou muito criticada porque dou prioridade para o tratamento do meu filho ,as vezes mim sinto cansada ,mas confio em Deus para me dar força .
Ele agora esta bem melhor pois ele tinha muitos ataques de raiva ...gracas a Deus ele ta progredindo ,todos da nossa familia , amigos estao vendo esse progresso .
Na ecola ele vai hoje ate bem pois agora sabemos que caminho seguir ... eu tenho fe em DEUS que ele vai chegar mais longe ainda .
Bom minha luta e essa, mas vamos vencer EU E meu FILHO .
 
Data: 12 novembro 2012
Enviado por: ALICE NANCY
RECIFE
Tenho 43 anos e três filhos, o meu filho do meio,hoje com 16 anos, foi diagnosticado com TDAH na adolescência.
Ele desenvolveu melhor o “motor” do que o “psíquico”, andou com 10 meses e demorou muito a falar (3 anos), chegamos a achar que ele era autista.
Ele sempre foi muito agitado e não parava quieto, era “desastrado”, derrubava suco todos os dias na mesa, se machucava, caia demasiadamente, muito distraído, tropeçava em tudo.
Com 3 anos, fiz exames motivada pela falta da fala, ele usava o dedo para apontar o que queria. Levei várias vezes ao longo destes anos ao ortopedista,otorrino e oftalmo, mas ele era normal.
Levei-o a fonoaudióloga, pois o problema na fala era o que mais me preocupava, o tratamento foi feito dos 3 ao 7 anos, e ele parou justamente quando se observa se a criança tem o transtorno.
Meu filho não conseguia prestar atenção, ficar parado ou sentado por muito tempo seja em qualquer circunstância.
A alfabetização foi complicada e exigiu perseverança, minha e das professoras.
Sempre estive perto da educação e aprendizagem dos meus filhos, mas nunca ninguém me apresentou a possibilidade do deficit, mas era visível que ele não era como os outros.
Agora na adolescência quando se exigiu mais a concentração nos estudos comecei a observa-lo de forma diferenciada e já tinha ouvido falar do TDAH.
Ele voltou para a fonoaudióloga e começamos a investigar. Foi quando os exames e avaliações neurológicas diagnosticaram meu filho. Todo o relato de vida dele pela família e escola estava dentro das características das crianças com TDAH.
Hoje ele continua o tratamento psicopedagógico e fonoaudiólogo, como também com o neurologista para o tratamento medicamentoso. Tudo é muito sacrificante, pois é muito caro, a começar do medicamento. Prefiro abrir mão de várias coisas na minha vida, mas jamais desistir de dar o tratamento que meu filho precisa e merece.
 
Data: 12 novembro 2012
Enviado por: Andrea Fiuza Lima
Brasília-DF
Oi tenho um filho apenas,com 9 anos e diagnosticado TDAH,eu sempre o achei diferente e sempre na luta com a educação que dava a ele,eu não conseguia um resultado positivo.Minha irmã (professora)que mora em Brasília vendo e presenciando a cada final de ano que eu ia a sua casa passar férias,me mandou por email um dia uma reportagem.
Vi a reportagem e li coisas a respeito do TDAH,levei meu filho a uma neuro pediatrica e então foi diagnosticado com esse problema.
Sempre muito levado,sobe em tudo,sem noção do perigo,exige-se limites o tempo todo, em compensação muito inteligente,esperto,carihoso e adora musica que inclusive faz aula de flauta mas por ele quer fazer tudo.
Trata-se desde uns 7 anos com medicamentos mais o psicólogo,fonoaudiólogo.
Eu tenho percebido em relação as escolas particulares que é onde o meu filho estuda, elas não sabem como lidar com este problema, ou melhor o pouco que sabem somos nós mães ou pais que acompanham seus filhos que passamos para elas como lidar com este diagnostico.
Está faltando muito esclarecimento nesta área, pois precisamos muito do apoio escolar para podermos ajudá-los também.
É uma luta muito grande ,eu não trabalho pois os cuidados para com ele me toma tempo. E tudo que sei hoje venho descobrindo sozinha,lendo a respeito e coversando com os médicos.
É cansativo mais eu tenho que fazer para ver se pelo menos chega na adolescência melhor.
 
Data: 11 novembro 2012
Enviado por: Poliana
Belo Horizonte
Tenho uma filha de 8 anos com TDAH, tudo o que li. nos depoimenttos me identifico muito. Minha preocupação hoje. é que terei um bb daqui a 20 dias e todos me alertam sobre a minha filha, como se ela fosse uma grande ameaça. Não sei realmente o que fazer. Ela tem piorada a agressividade a cada dia. Amo muito minha filha e meu bb que está chegando também. Ela vai repetir o ano, e queria mudá-la de escola pelo constrangimento que vai passar, mas ela não quer. Me ajudem
 
Data: 11 novembro 2012
Enviado por: Aline
rio de janeiro
Tenho 27 anos, e minha vida encontra-se um turbilhão..
Recentemente fui fazer uma consulta e ao invés de me ajudar, fiquei triste." Querida o seu problema é emocional,e não orgânico,você tem que gostar mais de si,uma pessoa que não sabe o que é ansiedade não consegue se enxergar,você é muito racional,seja mais humana,use mais o seu emocional".
Fui uma criança muito briguenta na escola,reprovei na escola 4 vezes,eu não aprendia,era teimosa e escrevia muitas palavras erradas,aprendi a ver as horas na 6ºsérie,e tinha muita vergonha de perguntar as coisas,até que eu tinha coleguinhas,mas eu era mandona.
Na minha adolescência acho que foi a pior fase,eu literalmente passei pelo 2ºgrau "vooando", pois não absorvi quase nada e hj tenho sérias dificuldades em conteúdos e cálculos, estou fazendo cursinho pré vestibular ha 2 anos( parece que não raciocino), as vezes tenho dificuldade com relógios de ponteiros, direita e esquerda,esqueço fácil as coisas,levanto muito da cadeira quando estudando, tenho poucas amigas,sou pavio curto,e me sinto burra e não acredito no meu potencial aliás nem sei o que é isso.
Sonho em ser médica, mas muitos falaram que do jeito que sou não vou para frente.
Com 26 anos procurei o 1 médico para tratar disto,ainda não sei se tenho TDAH ou TAG ...
 
Data: 09 novembro 2012
Enviado por: Ana Karolyne
Dourados
Tenho 34 anos, 2 filhos e uma história agitadissíma com meu filho mais velho.
Desde quando ele entrou na escola achei que havia algo diferente. Sempre muito agitado e com dificuldade na alfabetização e aprendizado. Até questionava os professores à respeito, mas eles por inexperiência me diziam que estava tudo bem.
Até que quando chegou ao 2ºano, as dificuldades aumentaram ainda mais, ele não conseguia acompanhar a turma, não sabia ler nem ao menos juntar as sílabas. Foi um ano terrivel e eu trabalhava com esquemas de plantão o que dificultava ainda mais poder ajuda-lo. No final do ano juntamente com a coordenadora e psicopedagoga da escola
decidimos que no inicio do próximo ano faríamos uma avaliação com profissional adequado.
E assim foi, no incio das aulas levei ele a um neurologista especializado em disturbios da aprendizagem, ele fez muitos exames e foi um periodo um pouco demorado até que veio a confirmação TDAH.
Um choque, pois era muito desinformada a respeito e não sabia como lidar.
Hoje ,2 anos após, ele continua o tratamento com medicações, fonoaudióloga e psicopedagoga. Uma verdadeira maratona. Larguei meu trabalho depois de um acordo com meu esposo e hoje passo a semana a leva-lo para as terapias, consultas médicas e o ajudo a realizar as tarefas.
Lentamente estamos caminhando, hoje muito mais informada e sabendo que tudo acontecerá no tempo dele.
Com certeza ao seu lado, para o que der e vier!!
 
Data: 09 novembro 2012
Enviado por: Fabiana Souza
São Paulo
Meu filho tem sérios problemas de aprendizagem. Resolvi procurar por ajuda médica, pois depois de acompanhá-lo detidamente, percebi que ele não é preguiçoso, descompromissado, como já escutei e devo dizer, repeti.
Ele é um garoto ótimo, de bom relacionamento com todos e com uma compaixão que eu não sei explicar de onde veio.
Lendo os depoimentos neste site, principalmente das pessoas que passam por esse sofrimento, resolvi marcar com um profissional da área. Se o diagnóstico não for esse, vamos a outros passos, mas se for, terei impedido o meu menino de sofrer o que eu li aqui. A todos que colocaram seu depoimento, minha solidariedade e principalmente o meu respeito. A partir de hoje vocês também fazem parte da minha família e onde eu puder divulgarei a TDHA.
Sorte e força!!!
 
Data: 09 novembro 2012
Enviado por: Patrícia Aparecida da Cruz
Belo Horizonte - MG
Ola tenho 31 anos sou mãe de 3 filhos 2 com TDAH o menino de 12 com o lado hiperativo e a menina de 7 com o deficit de atenção.
Meu filho foi diagnosticado pela primeira vez em 2003 em uma época que o acesso a informação ainda era meio complicado.
Optei pelo não uso da medicação, ele sempre foi o garoto encrenca onde chegava já era notado se envolveu em brigas mais em questão de nota sempre teve notas medias mais o comportamento era péssimo.
Assim levamos ate esse ano quando percebi que minha filha tinha muita dificuldade na alfabetização e nesses anos li sempre a respeito do assunto então já conhecia os sintomas ainda mais que percebi que também sou uma TDAH ..
foi ai que conheci o medicamento ,pois com ela não terei outra forma, resolvemos fazer um teste com ele e olha se eu pudesse voltar ao tempo teria começado com ele em 2003.
hoje ele é aluno exemplar, minha filha ainda não esta alfabetizada e isso me causa uma certa agonia que tendo não deixar ela perceber ela está no 2 ano normal na escola e no período da tarde tem acompanhamento com fono e uma professora particular, me sinto as vezes incapaz pois sei como eles devem sofrer e ainda tem a filha do meio para dar atenção.
 
Data: 08 novembro 2012
Enviado por: Adriane Murta
Casacavel
TENHO 4 FILHOS E ACHO TODOS 4 PERFEITOS MAS TEM UM EM ESPECIAL CARLOS ALEXANDRE DE 11 ANOS MENINO LINDO ESPERTO MAS Q NA ESCOLA NUNCA TEVE BOM DESEMPENHO ,AMIGO DOS AMIGOS ,GOSTA MUITO DE ESPORTES ,MAS COM MUITA DIFICULDADE DE APRENDER .
FICO MUITO TRISTE DE SABER COMO O TDAH É MAL DIVULGADO,NEM TODOS OS PROFISSIONAIS ESTÃO CAPACITADOS E NO INTERIOR AINDA É MAIS DIFÍCIL, A INFORMAÇÃO NÃO CHEGA NEM AOS PAIS NEM A TODOS EDUCADORES E SOFREMOS MUITO COM ISSO .
HOJE ELE NÃO É MAIS TÃO AGITADO, NÃO É DE BRIGAS MAS NÃO CONSEGUE FICAR QUIETO E CALADO ,TEM MUITAS DIFÍCULDADES DE ESCREVER E LER ,MAS DECORA TODAS AS MUSÍCAS COM MUITA FACILIDADE .
TOMOU MEDICAÇÃO POR UM TEMPO MAS HOJE NÃO AGUENTA NEM VER A MEDICAÇÃO NEM SEI MAIS OQUE FAZER, SO SEI Q O AMO MAIS QUE TUDO E Q ELE É UM MENINO MUITO DOCE CARINHOSO RESPEITADOR SABE SEGUIR REGRAS MAS É DESORGANIZADO MAS É PRAA SEMPRE O MENINO AVENTUREIRO GUERREIRO E Q UM DIA AINDA VAI VENCER SEJA NO Q ELE ESCOLHER
 
Data: 08 novembro 2012
Enviado por: MARCILENE BRAGA DE ASSIS
LUZ


Envie o seu depoimento
* Campo obrigatório.
Nome:*
E-mail (não será divulgado):*
Cidade:
Link do vídeo:
Código de segurança:
Colocar o código de segurança aqui:*
Digite aqui seu depoimento:*
O seu depoimento será avaliado, publicado ou não mediante aprovação. Comentários que contenham termos vulgares, palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Citações sobre nomes comerciais de medicação e nomes de profissionais, eventualmente serão excluídos.

Erros de português não impedirão a publicação de um comentário. Caso seu depoimento tenha mais de 1600 caracteres (20 linhas) ele será moderado e editado para publicação.
Ao clicar em enviar, você está concordando que o seu depoimento seja publicado neste Portal e que a ABDA utilize-o em outros materiais de seu uso exclusivo.

Enquete

A partir da sua experiência, marque abaixo qual é o campo de atuação profissional que você considera menos preparado e com maior desconhecimento sobre TDAH?

Cadastro de Profissionais

Clique aqui e veja as regras para se cadastrar no site da ABDA

Saiba mais

Banner

APOIO E PARCERIAS

abp_logo      1598324 714481408570106 749451181 t       acm pq transparente       and_logo      cna_logo     instituto_pazes     manita_logo      marpa       riostoc
       universidade-veiga-de-almeida-158-Thumb