Banner

abda-facebookabda-twitterabda-youtubeGoogle plus

Domingo, Maio 28, 2017

Idiomas

Português
Depoimentos
Participe enviando para nós a sua História Real, em texto ou vídeo. Você que é portador de TDAH, parente, amigo, professor ou terapeuta, conte-nos o seu testemunho. Você pode enviar seu vídeo utilizando o campo link do vídeo (ex: Youtube, Vimeo, Google Vídeos, etc.)

Tenho 22 anos de idade com muita saúde, graças a Deus.<
E há 8 dias descobri que tenho 99 por cento de chance de ser portador do TDAH.
Vi a matéria no Fantástico (parabéns a rede globo pelo quadro Doenças da Alma),não assisto sempre, mas Graças a Deus assisti justamente no dia que eu precisava!!!
Vi um homem dar depoimento para o Dr. Dráuzio Varella, e me identifiquei com tudo o que ele dizia, sofro o mesmo dilema.
Sempre fui desatento em tudo. Hiperativo não. Até hoje, tenho muita dificuldade em matemática (e tudo que depende dela), raciocinar é um martírio pra mim, não sei fazer nem uma simples soma um pouco mais complicada de cabeça.
Na escola, eu nunca fui de fazer bagunça, tentava aprender mas a minha mente parece que bloqueava, só via a boca do(a) professor(a) mexendo, e quando voltava não me lembrava mais de nada que "ouvi" segundos atrás.
CONCLUÍ O ENSINO MÉDIO SEM SABER muita coisa. Tenho vergonha de ensinar dever de casa aos meus irmãos em média 7 anos mais novos porque não lembro de nada.
Sempre perdi média, fiquei de recuperação muitas e muitas vezes, passava de ano empurrado mais por bom comportamento do que tudo.
Eu NUNCA, JAMAIS consegui estudar e sempre que tentei só foi pior, eu me confundia todo na hora da prova, nunca consegui fazer dever de casa, qualquer coisa me distraía e eu perdia a paciencia, logo nem tentei mais.
Meus amigos, não tenho a conta de quanta coisa perdi e quanto objeto esqueço até hoje. Para voce ter uma idéia, eu já cheguei na porta da sala de aula, em dia normal, sem a mochila que sempre carreguei nas costas rsrsr!
Sempre me atrasei pra chegar na escola, e estou tendo o mesmo problema no trabalho ultimamente, talvez agravado pelo stress (sou auxiliar administrativo).
Minha mãe pensava que eu não estudava porque não me interessava, mas eu sabia que eu queria (quero), mas descobri anos mais tarde que não era (é) falta de interesse, pois sou apaixonado por música, toco mais de 5 instrumentos diferentes e tenho muita facilidade para aprender outros, mas aí vem mais uma frustração (uma das maiores), só aprendo na prática, entrei em aula de partitura 2 vezes, me esforcei ao máximo, mas NUNCA consegui treinar a pauta sequer 3 minutos em casa, qualquer coisa é motivo pra perder a atenção (até mesmo nada)...minhas vistas escurecem e quando volto não me lembro de mais nada, dá até sono.
A prova do ENEM foi puro chute, nunca me lembrava do início do enunciado da questão ao chegar no final da mesma.
Sempre fui taxado de "lerdo", "lesma", "atrasado", "enrolado", sempre ouvi "você está no mundo da lua...", "não vai esquecer como sempre ein...", já fui taxado mais de uma vez de irresponsável por esquecer qualquer coisa, um amigo cantava pra mim "o Mardem não é burro (2x), tem preguiça de pensar" rsrs, dos meus pais ouvi (ouço) "você tem que ser mais esperto menino".
Devido a tantos adjetivos, tanta chacota e acontecimentos que não descrevi nem 5 por cento, passei a me ver como um burro, incapaz, dependente, já quase entrei em depressão por pensar que nunca seria alguem na vida, eu não me aceitava assim, queria ser como as pessoas normais, mas acredito que por ter chorado com Deus me perguntando porque sou assim, eu encontrei um alívio, os sintomas persistem, mas passei a me aceitar como sou, e seguir me esforçando para melhorar.
Hoje sei porque sou assim!
Apesar de eu já ter pedido meus pais para me levar em um psicólogo ou psiquiatra e eles acharam desnecessário, não os culpo pois possuem pouca instrução e não advinhariam que existe esse mal, até porque meu avô paterno tem as mesmas características comportamentais que eu (minha mãe tambem).
Espero que meu depoimento ajude a alguem, pois estou me sentindo extremamente confortado sabendo que tem jeito para esse mal e que, como depoimentos nesse artigo, sei que não estou sozinho, e melhor será se todos nos brasileiros principalmente as crianças, não passem pelo mesmo que passei e tenham um futuro melhor!
Obrigado ABDA!
 
Data: 18 março 2013
Enviado por: Edson Marden
Ribeirão das Neves
Olá, boa noite a todos.
Meu nome é Joilene e gostaria de dividir minha situação com voces.
Desde cedo, muito cedo mesmo, tenho tido dificuldade em me concentrar em qualquer coisa que eu faça, passei pelos primeiros anos da escola com certa dificuldade, mais tudo se agravou na medida que eu ia prosseguindo no colégio, da 7² série adiante eu não pude mais controlar meus impulsos, cabulando aula sempre que podia, não ficando muito tempo na sala, reprovando um semestre atrás de outro.
Quando entrei na faculdade isso se multiplicou em dificuldade.
Não consigo concluir nada do que me proponho, desisto todo semestre de uma ou duas matérias. Tenho reprovações em todos os semestres da faculdade de arquitetura que curso desde o primeiro semestre de 2005 e até hoje não consegui concluí-la.
É muito surreal, mais nada me compele a ser mais forte que isso, desistências contínuas, projetos pela metade, provas proteladas e um longo e pavoroso histórico academico meio..herrr, fracassado.
No que diz respeito a trabalho, em dois anos de inserção no mercado de trabalho já passei por três empresas diferentes e sempre sou apontada com as mesmas dificuldades; falta de atenção, atrasos e etc...
Tenho 28 anos e moro em uma cidade que não tem profissional especializado nesse tipo de diagnóstico, entretanto nos testes virtuais que tenho feito até hoje em site especializados, tenho tido um resultado em que consta um nível acima do comum para adultos, no que diz respeito a TDAH com enfase em desatenção.
Preciso encontrar meios pra lidar com isso, pela minha vida pessoal, profissional e familiar.
Att, Joilene
 
Data: 18 março 2013
Enviado por: Joilene
Palmas
Meu nome é Ana Teresa, sempre fui levada.
Tenho mais 2 irmão mais novos,mas eu era 10 vez mais levadas do que os dois juntos. As 04 anos eu quebrei meu dente direito (da frentes) pois estava brincando em uma estrutura de metal, que chamávos de "macaquinho". Estava pendurada de cabeça para caixo com os joelhos presos a uma barra que ficava acima. Pois é, caí quebrei o dente e minha mão ficou acordada a noite inteira segurando o dente para ele se fixa no lugar (e fixou).
Enquanto criança (1 ano e meio) minha tia Vera chamava atenção da minha mãe pois eu não conseguia pretar atençao em uma musiquinha, ou no meio da musica eu inventava a minha mesma música.
Tive dificuldades na escola, sempre fui uma aluna mediana, e para conseguir os objetivos (notas)para a aprovação era um parto, mas eu conseguia depois de muito esforço e um casaço físico inestimável. Nunca prestava a atenção na aula, respondia absurdos, por não ouvir o final das frases e era motivo de piada para toda a sala.
Fui para o cursinho, fiz 03 anos, foi outro parto, eu naão conseguia acompanhar a matéria e era entitulada com dispersa e preguiçosa, mas eu me esforçava muito e ficava muito triste com as observações.
Fui pra faculdade, não atingi o sonho de ir para um universidade pública, tive que me contentar com uma universidade particular (minha maior frustação)
Hoje tento prestar concurso público e é uma catástrofe.
Vou a neurologista e psiquiatras eles só faltam rir da minha cara. Escutei de um psiquitra que o TDAH era uma doença infantil e que nunca havia visto um diagnóstico na fase adulta. Todas as vezes me sinto desgastada, frustrada, triste e o pior me sinto muma mentirosa, será que tudo que vivi até hoje, todasas dificulades fizeram de mim apenas mentirosa.....Sofro muito.
Gostatia de um conselho e quem sabe um profissional aqui em São José dos Campos ou outras cidades proximas.
Muito Obrigada
 
Data: 18 março 2013
Enviado por: Ana Teresa
São josé dos campos
Meu nome é Patrícia, 23 anos, portadora do TDAH.
Diagnosticada aos 15 anos, não me adaptei á medicação. Estava indo tudo bem no colégio apesar de na caderneta em todas as unidades de todos os anos estar registrado: a aluna é muito dispersa.
Então chegou na 8ªsérie, repeti de ano. No 1o ano fui pra 8 recuperações, mas pensei: não posso parar aqui, estudei muito, me esforcei muito e passei.
No 2o ano estava indo mal então não completei. Sabia que não tinha condições nenhuma de fazer nem o 2o nem o 3o.
Então fui pra um colégio que se pagava para ter o diploma e adiantar este lado para ir para faculdade que imaginei que seria mais fácil. Mas antes fiz cursinho para ter um mínimo de base de 3o ano.
Fui para faculdade de adm, 1 semestre, desisti. 6 meses sem saber o que fazer. Decidi Publicidade 1 semestre tambem e desisti. Mais 6 meses sem saber o que fazer. Decidi entao que era design de interiores um curso de 2 anos, eu ia dar conta por ter menos matérias teóricas e mais trabalhos. 1o semestre perdi em 2 matérias, prossegui pro 2o semestre e perdi em todas.
Entao encontrei um psiquiatra finalmente bom, para me tratar e receitou outra medicação para o TDAH - Melhora extraordinária!
Fiz o 2o semestre de faculdade de novo e minhas notas passaram a ser ótimas, meu desempenho, tudo correu bem na faculdade a partir dali. Hoje estou pegando as duas matérias do 1o semestre que perdi para me formar e fazendo curso pra concurso, pois percebi que minha área não tinha um mercado de trabalho bom.
E preciso de uma garantia de futuro. Só que tem um problema: aulas de curso para concurso sao muito rápidas, eu ja não estou acompanhando o ritmo. Sou muito devagar e preciso gravar as aulas pra ouvir depois as coisas estão se acumulando e estou em desespero!
Isso não é para mim?
Acho que eu posso tudo basta muita força de vontade!
Enfim, estou vivenciando esse momento agora que está sendo muito difícil mesmo com o uso do medicamento ainda apresento minhas dificuldades. E estas foram as acadêmicas,fora a que tive de tirar a carteira de motorista, eu tinha medo de testes.
 
Data: 17 março 2013
Enviado por: Patrícia Andrade Silva
Salvador
Eu não lhes venho falar da Síndrome em si. Venho falar de como teus parentes podem ser impiedosos contigo.
Desde que comecei a ser alfabetizado em minha cidade natal (atualmente sou morador de Porto Alegre) eu recebia o apelido de “louco” de meus colegas.
Isto era algo que gerava um grande sofrimento aos meus pais, seres humanos maravilhosos, e eu me questionava qual era a raiz disto tudo.
Pasmem. Era levado p tratamento desde muito pequeno. E por isto alguns parentes paternos meus me deram que este belo apelido.
Dos alguns parentes paternos nunca recebi um abraço.
No colégio uma dificuldade enorme de assimilar conteúdo e brigava muito. Mas o tempo passou e surpreendi certas pessoas. Fui aprovado no vestibular da UFRGS. E eles vieram me parabenizar com o maior sorriso amarelo que já vi em toda a minha vida. Um dos parentes do meu pai que me discriminou, já na época que eu já fazia faculdade, veio me pedir ajuda em duas ocasiões.
A primeira foi pra ela conseguir concluir o supletivo dele de ensino fundamental. E a segunda foi para poder passar em um concurso publico para um cargo que era compatível a sua escolaridade. E veio pedir ajuda a mim, mas eu ainda não sabia e sequer imaginava da discriminação que era originaria de dentro da minha própria família.
Eu somente fui saber quem e como havia iniciado este tipo de coisa na minha cidade só em 2011. E em 2012 e que minha mãe me contou que eu tinha o TDAH, eu com idade de 30 anos.
Às vezes o transtorno em si já é complicado, mas uma das questões mais difíceis que acho perante este assunto é a discriminação, principalmente quando ela nasce no grupo que a princípio deveria te acolher, ou seja, a família.
Agradeço a D’us pelo sucesso que já obtive, de ter conseguido passar no vestibular da UFRGS e ter me formado e de já ter passado em um concurso publico em primeiro lugar na profissão a qual eu me formei.
 
Data: 17 março 2013
Enviado por: Joao
Minas do Leão
Ei gente, como muitos aqui não estão conseguindo falar tudo o que devem ou querem (é claro por causa de alguns sintomas), eu vou dar uma idéia a vcs. Vou postar uma lista de sintomas que reuni em vários sites.

Usem ela pra se explicarem um pouco melhor cada sintoma que vcs têm. Coloquem o nº de cada sintoma e falem dos seus casos.. Se quiserem...

1. -Pratica algum tipo de ritual que, se não praticar, altera seu humor, comportamento, temperamento ou outra coisa.
2. -Se isola socialmente do mundo, sentindo-se muitas vezes um “estranho fora do ninho”.
3. -Você começa a pensar em uma coisa, fato ou cena e repentinamente você começa a pensar que está vivendo ela.
4. -Tem receio de fazer certas coisas por medo de cometer gafes, esquecer o que ia fazer ou por medo do que os outros vão pensar.
5. -Frequentemente fica entediado, apático, sem motivação.
6. -Falta de esperança no futuro, perseverança, se frustra com facilidade.
7. -Percepção negativa dos eventos e pensamentos negativos.

Parte 2

1. -Desvia facilmente a atenção do que está fazendo e comete erros por prestar pouca atenção a detalhes. Muitas vezes distrai-se com seus próprios devaneios ou então um simples estímulo externo o tira do que está fazendo
2. -Dificuldade de concentração em palestras, aulas, leitura de livros... (dificilmente termina um livro a não ser que o interesse muito).
-Às vezes parece não ouvir quando o chamam (muitas vezes é interpretado como egoísta, desinteressado...).
3. -Durante uma conversa pode distrair-se e prestar atenção em outras coisas, principalmente quando está em grupos. Às vezes capta apenas partes do assunto, outras, enquanto “ouve” já está pensando em outra coisa e interrompe a fala do outro.
4. -Relutância em iniciar tarefas que exijam longo esforço mental.
5. -Dificuldade em seguir instruções, em iniciar, completar e só então, mudar de tarefa (muitas vezes é visto como irresponsável).
6. -Dificuldade em organizar-se com objetos, espaço (mesa, gavetas, arquivos, papéis, etc...), com o tempo e com o planejamento..
7. -Problemas de memória a curto prazo: perde ou esquece objetos, nomes, prazos, datas...
8. -Durante uma fala, pode ocorrer um "branco" e a pessoa esquecer o que ia dizer.
9. -Dificuldade em aprender com a experiência.
10. -Interesse pelos outros diminuído.
11. -Sentimentos de impotência ou falta de poder.

Parte 3

1. -Inquietação – mexe as mãos e/ou os pés quando sentado, musculatura tensa, com dificuldade em ficar parado num lugar por muito tempo. Costuma ser o "dono" do controle remoto.
2. -Falta de controle dos impulsos.
3. -Faz várias coisas ao mesmo tempo, está sempre a mil por hora, em busca de novidades e de estímulos fortes. Detesta o tédio. Consegue ler, assistir televisão e ouvir música ao mesmo tempo. Muitas vezes é visto como imaturo, insaciável.
4. -Pode falar, comer, comprar... compulsivamente e/ou sobrecarregar-se no trabalho. Muitos acabam estressados, ansiosos e impacientes: são os workaholics(viciados em trabalho, burros de carga).
5. -Tendência ao vício: álcool, drogas, jogos, Internet e salas de bate papo.
6. -Interrompe a fala do(s) outro(s) e sua impaciência faz com que responda perguntas antes mesmo de serem concluídas. Costuma ser prolixo ao falar, perde sua objetividade em mil detalhes, sem perceber como se comunica. No entanto, não tem a menor paciência em ouvir alguém como ele, sem se dar conta que é igual.
7. -Baixo nível de tolerância: não sabe lidar com frustrações, com erros (nem os seus, nem dos outros). Muitas vezes sente raiva e se recolhe.
8. -Impaciência ou ansiedade crônica: não suporta esperar ou aguardar por algo: filas, telefonemas, atendimento em lojas, restaurantes... quer tudo para "ontem".
9. -Instabilidade de humor: ora está ótimo, ora está péssimo, sem que precise de motivo sério para isso. Os fatores podem ser externos ou internos, uma vez que costuma estar em eterno conflito.
10. -Dificuldade em expressar-se (pensar): muitas vezes as palavras e a fala não acompanham a velocidade da sua mente. Muitos, quando estão em grupo, falam sem parar sem se dar conta que outras pessoas gostariam de emitir opiniões, fazer colocações, e o que deveria ser um diálogo transforma-se num monólogo que só interessa a quem está falando.
11. -A comunicação costuma ser compulsiva, sem filtro para inibir respostas inadequadas, o que pode provocar situações constrangedoras e/ou ofensivas: fala ou faz e depois pensa.
12. -Tem um temperamento explosivo: não suporta críticas, provocações e/ou rejeição.
13. -Dificuldade em seguir regras sociais ou normas pré-estabelecidas. Daí a grande importância na escolha da profissão. O ideal é que o indivíduo trabalhe com criatividade e que tenha certa liberdade de fazer “tudo do seu jeito, no seu tempo”, desde que crie uma estrutura para mantê-lo em seu objetivo. Dificilmente conseguirá sucesso num trabalho burocrático, rotineiro ou repetitivo.
14. -Rompe com certa facilidade relacionamentos de trabalho, sociais e/ou afetivos.
15. -Pode mudar inesperadamente de planos, metas...
16. -Sexualidade instável: pode alternar períodos de grande impulsividade sexual com outros de baixo desejo.
17. -Hipersensibilidade: pode melindrar-se facilmente, tendo uma tendência ao desespero, como se seu mundo fosse desmoronar-se a qualquer instante, incapacitando-o muitas vezes de ver a realidade como ela realmente é, e buscar soluções.
18. -Problemas de apetite e sono.
19. -Falhas de julgamento, tem interpretações errôneas..
 
Data: 17 março 2013
Enviado por: Giovanni Cerdan
Santos-SP
Oi me chamo liu,tenho 41 anos e desde menina sou diferente dos demais , na escola eu chorava muito quando era pressionada ou chamada atenção pela professora,eu notava que no recreio eu gritava mais, corria mais, caía mais, me sujava mais,porém parecia que eu tinha essa necessidade de ir aos extremos em tudo,era incontrolável,como eu parecia estar ligada no 220 watts, eu ficava agressiva por qualquer motivo, batia nos coleguinhas fossem eles meninos ou meninas e do tamanho que fossem eu encarava sem medo.
Esse comportamento não mudou no ginásio, eu falava dentro da sala feito "pobre na chuva",e como eu era a "aparecidinha" da turma,me juntava aos tanto quanto levados como eu, nessa brincadeira toda fui expulsa de dois colégios pois neles cometi faltas gravíssimas que me envergonho até de relatá-las aqui,naquela época anos 80 isso nada mais era do irresponsabilidade, mau caratismo,vandalismo ,rebeldia e etc....
Comecei a trabalhar já aos 14 anos, também tinha compulsões, por alimentos, eu desenvolvi bulimia, distúrbio esse inexistente ao conhecimento de muitos,como quando criança eu era obesa, descobri uma maneira de comer sem engordar"achava eu né?"Comia e provocava o vômito, tomava laxantes, diuréticos, chás e até engolia grãos de arroz como simpatia pra emagrecer...
Estava virando mocinha, vaidosa queria ficar magra, e até fiquei uma bela moça! Desenvolvi também o vício pelo tabaco e álcool, aquela bela mocinha já bebia e fumava feito adulta,também usei drogas,que era até normal entre jovens da minha rua e minha idade,mas eu sempre ia mais além...
.Sempre assim, tudo o que eu fazia era mais extremista, começa a estudar abandonava o curso, começa em um emprego logo dava jeito de sair,eu era tipo "cigana" não parava em um só lugar por muito tempo (poucos meses).Más ainda assim,eu era consciente (em partes) dos meus atos e as consequências me traziam uma depressão tão grande,comecei a me achar pior do que minhas amigas da mesma idade, elas concluíam tudo que começavam com tanta naturalidade e eu tudo o que fazia era com tanto gasto energético, com tanto sofrimento.
Comecei uma busca por religiões, fiz tratamento pra me livrar do álcool e das drogas,tudo sem incentivo de ninguém.
Caminhada difícil,eu sempre me achei "mole "demais, me casei, tive um filho e ainda assim me sentia me arrastando pela vida,até descobrir no final de novembro de 2012 que tinha tdah e tudo se esclareceu e passei a me amar com tanta alegria por saber que nunca fui pior que ninguém, e que todos aqueles adjetivos pejorativos que me deram e me fizeram acreditar ,nada mais era do que um transtorno e eu não tenho culpa nenhuma por portá-lo.
Esse site foi meu único esclarecimento,os depoimentos me fizeram me sentir uma pessoa melhor, hoje sou nutricionista apesar de não estar certa que me formei na profissão que deveria, não gosto muito do que fazia por que também trabalhei o suficiente na área pra perceber que não é minha praia, quero mudar tudo, quero fazer valer as leis e o que é correto, prezo a ética profissional e me decepcionei muito vendo que na hora de executar não importa o que é certo e sim o que a empresa impõem, sendo assim me recuso terminantemente a permanecer.
E cá estou eu aos 41 anos precisando me sentir realizada profissionalmente,vou tentando e como é complicado escolher uma só profissão e me dedicar inteiramente até dar certo.
Tenho fé que agora que sei quem sou e do que sou capaz,as limitações?
Não acho que tenho limitações, tenho certeza que o que me falta é limites mesmo ,sou ilimitada...rs,avalanches de idéias me tomam todos os dias e cada hora estou certa de que quero aquela determinada coisa, e no dia seguinte simplesmente nem me lembro que queria tanto aquilo..rs chega a ser engraçado....pena que sofro as consequências e sérias.
Estou sempre certa de uma coisa que depois como um sopro na areia seca se vai pelos ares e nem me dou conta, peço a Deus que me ajude com isso,por que sinto a necessidade de produzir, alçar vôos e colher saudáveis frutos, inteligencia não me falta só preciso me lembrar disso.....
bjks

 
Data: 17 março 2013
Enviado por: liumoryall
Betim
Tenho 47 anos e aos 24 tive um filho prematuro de seis meses. Nesta época as enfermeiras o descreviam como o mais elétrico dos bebês que estavam na UTI neonatal. Sempre foi uma criança inquieta,que não gostava de colo, que além de não se intreter, destruía os brinquedos.
Quando completou 2 anos e 11 meses foi encaminhado a um psiquiatra que o diagnosticou naquela época com DISFUNÇÃO CEREBRAL MÍNIMA. O especialista sugeriu que só seria adequado administrar a medicação quando ele entrasse na escola, onde de fato passei a ser solicitada constantemente para receber reclamações.
Na 1ªsérie fui convocada a retirá-lo da mesma, porém não o fiz. Decidi procurar o psiquiatra onde meu filho passou a ser medicado. Porém, passava algum e tempo e ele se acostumava com a medicação, voltando a agir da mesma forma.Após usou homeopatia e aos 13 anos passou a ficar sem medicação.
Ele sempre foi muito inteligente( os professores diziam que aprendia antes dos outros), passei a estudar com ele de uma forma lúdica onde as letras eram substituídas por símbolos. Assim fomos até o 3ºano onde ingressei na mesma escola, mas em turnos diferentes. Na metade do ano ele já estava quase rodado por não copiar a matéria nem data de provas. Puxei -o para a noite e juntos fizemos o ENEM 2006 e concluímos o ensino médio. Passei para faculdade de SERVIÇO SOCIAL com bolsa de 100% e meu filho rodou. Por pedido dele não desisti. No ano seguinte ele conseguiu bolsa pró-uni e se formou em 2010 . Por diversas vezes conseguiu emprego e saiu ; hoje faz 8 meses que está trabalhando. Ele está sem tratamento, continua elétrico, inquieto, impulsivo, diz que parece que seu cérebro não para de funcionar.
No que se refere a mim, desisti da faculdade .Esta é só mais uma desistência que acumulo ao longo da vida. Sempre me senti culpada pela situação do meu filho pois bebi e fumei durante a gravidez( parei quando ele tinha 2 anos)e agora nesta noite buscando informações neste site para ajuda-lo percebo que também possuo várias das características e que pode ter um fundo genético também.
É latente em mim a impulsividade, inquietação, meu cérebro também não para de funcionar, não termino uma coisa e começo outra, tenho uma ansiedade que afeta a minha respiração, estou sempre em estado de alerta e fui encaminhada para psiquiatria pois sofro de fobia social, transtorno de ansiedade generalizada.
Confesso que perceber isso me trás um certo alívio pois também estou meia perdida e mais uma vez preciso procurar ajuda junto com ele. Agradeço pela riqueza de informações que vocês compartilham conosco.
 
Data: 17 março 2013
Enviado por: Gilcéia Oliveira
Pelotas
Eu tenho um filho lindo chamado Ramon, ele foi diagnosticado aos 7 anos com tdah. Hoje toma remedio mas esta muito dificil, ele ainda nao é alfabetizado é extremamente agitado e impulsivo. A interaçao social e bem restrita pois é focado apenas em alguns assuntos. Também tem atraso global do desenvolvimento. Gostaria muito de poder ajuda-lo mas a falta de pessoas capacitadas nas escolas é alarmante. É um sofrimento muito grande pra ele e para nós. O seu comportamento é inadequado p diversas situaçoes estamos nos privando de várias coisa por causa disso. Por favor nos oriente.
 
Data: 17 março 2013
Enviado por: Roksany leite Vital
sao paulo
Olá,
Meu nome é Cristiane, moro em Salvador. Hoje tenho 34 anos. Sempre tive dificuldades de aprendizagem desde a infância. Por todas as características sei q tenho déficit de atenção. Cheguei a ir em um psiquiatra, mas ele n passou nenhum exame e me disse q o meu diagnosfico era deficil de atenção, passou um medicamento, mas fiquei c medo de tomar.... gostaria de saber se tem algum exame q confirme? E o tratamento é somente com medicamento???? Vivo angustiada em n consegui assimilar as coisas, alguém pode me ajudar??? Tento q procurar outro médico? Alguém tem alguma indicação p cidade de SSA??? Muito obrigada a todos!!!
 
Data: 16 março 2013
Enviado por: cristiane
ssa


Envie o seu depoimento
* Campo obrigatório.
Nome:*
E-mail (não será divulgado):*
Cidade:
Link do vídeo:
Código de segurança:
Colocar o código de segurança aqui:*
Digite aqui seu depoimento:*
O seu depoimento será avaliado, publicado ou não mediante aprovação. Comentários que contenham termos vulgares, palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Citações sobre nomes comerciais de medicação e nomes de profissionais, eventualmente serão excluídos.

Erros de português não impedirão a publicação de um comentário. Caso seu depoimento tenha mais de 1600 caracteres (20 linhas) ele será moderado e editado para publicação.
Ao clicar em enviar, você está concordando que o seu depoimento seja publicado neste Portal e que a ABDA utilize-o em outros materiais de seu uso exclusivo.

Enquete

A partir da sua experiência, marque abaixo qual é o campo de atuação profissional que você considera menos preparado e com maior desconhecimento sobre TDAH?

Cadastro de Profissionais

Clique aqui e veja as regras para se cadastrar no site da ABDA

Saiba mais

Banner

APOIO E PARCERIAS

abp_logo      1598324 714481408570106 749451181 t       acm pq transparente       and_logo      cna_logo     instituto_pazes     manita_logo      marpa       riostoc
       universidade-veiga-de-almeida-158-Thumb