Banner

abda-facebookabda-twitterabda-youtubeGoogle plus

Quinta, Junho 22, 2017

Idiomas

Português
Artigos Reportagens Brasil gasta mais de R$ 1,8 bilhão por tratamento inadequado ao TDAH
Terça, 06 Janeiro 2015 00:00

Brasil gasta mais de R$ 1,8 bilhão por tratamento inadequado ao TDAH

Escrito por  ABDA

Em franco desacordo com a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), não há política governamental brasileira para tratamento do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH): o metilfenidato, um dos mais conhecidos, mais eficazes e mais baratos medicamentos só pode ser obtido na rede pública através de processos legais (ações judiciais) ou complexos processos administrativos.

Uma pesquisa realizada em 2005 no estado de São Paulo envolvendo todas as doenças para as quais são realizados processos legais para garantir tratamento, verificou-se que o TDAH era a única dentre as 27 doenças encontradas para as quais não havia nenhuma política pública de tratamento.

Com base em estudo anterior apresentando a estimativa mais conservadora sobre o número de brasileiros com TDAH sem tratamento (Mattos, Polanczyk e Rohde, Revista Brasileira de Psiquiatria, 2012), realizou-se o cálculo do custo econômico que isto representa para o país. Os resultados foram apresentados em estudo recém-publicado na Revista Brasileira de Psiquiatria, a revista científica com maior índice de impacto na área de neurociências em toda a América Latina, por um grupo de pesquisadores liderados pelo psiquiatra Carlos Maia da UFRGS (Carlos R. Maia, Steffan F. Stella, Paulo Mattos, Guilherme V. Polanczyk, Carisi A. Polanczyk, Luis A. Rohde. The Brazilian policy of withholding treatment for ADHD is probably increasing health and social costs. Revista Brasileira de Psiquiatria. 2015; 37: 67–70, 2015)

Estimou-se o custo direto dos mais de 250.000 portadores brasileiros de TDAH entre 5 e 19 anos sem tratamento, usando-se para isto os dados oficiais de farmacoeconomia norteamericanos, convertidos para a realidade brasileira, com base na paridade de poder aquisitivo (purchasing power parity ou PPP) fornecida pelo Banco Mundial.

Os resultados indicam que o Brasil tem um prejuízo de aproximadamente R$ 1.841 bilhões de reais por ano levando-se em conta apenas as consequências do TDAH não tratado naquela faixa etária (repetências escolares e atendimentos médicos de emergência por acidentes, aspectos amplamente documentados e confirmados na literatura científica nacional e internacional). Por outro lado, o tratamento com metilfenidato de curta-ação três vezes ao dia, como recomendado pela OMS, levaria a uma economia de R$ 1.163 bilhões por ano.

 

Leia aqui o estudo na íntegra (PDF)

Leia o estudo na íntegra no Scielo

Leia aqui reportagem veículada no Bom dia Brasil / G1

Assista vídeo na íntegra, veículado no Bom dia Brasil

 

 

Banner

Enquete

A partir da sua experiência, marque abaixo qual é o campo de atuação profissional que você considera menos preparado e com maior desconhecimento sobre TDAH?

Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba as atualizações da ABDA no seu e-mail
Termos e Condições de Uso

APOIO E PARCERIAS

abp_logo      1598324 714481408570106 749451181 t       acm pq transparente       and_logo      cna_logo     instituto_pazes     manita_logo      marpa       riostoc
       universidade-veiga-de-almeida-158-Thumb